Arquivo da categoria ‘Vida’

Black Friday

Publicado: novembro 29, 2008 em Blogroll, Comportamento, EUA, Gringuísses, Sociedade, Vida

Black Friday sim, é coisa de gringo. Black Friday, a sexta-feira negra, é o dia depois do Thanksgiving, o famoso dia de ação de graças, que sempre cai numa quinta. Então, depois de comer peru na quinta, os americanos acordam cedo e vão fazer compras na sexta.

A Black Friday abre oficialmente a temporada de Natal nas lojas de varejo americanas, com liquidações insandecidas de até 80% e compradores bem mais que 100% insanos, se acotovelando as 5 e meia da manhã de sexta para serem os primeiros a entrar na loja. Ah, diga-se de passagem, sexta faz parte do feriado prolongado de Thanksgiving. Ou seja, em vez de dormir até mais tarde ou viajar, os gringos acordam mais cedo pra ir fazer compras. Vai entender.

Fila da boa

Madrugada fria é boa pra dormir?

Aliás, muitos são loucos o suficiente para ACAMPAR na frente de uma loja como a de eletrônicos Best Buy, até 3 dias antes pra garantir um bom lugar na fila. É isso mesmo. Você não entendeu errado. Três dias na fila, desde segunda à noite, com barraca e tudo, no esquema revezamento com amigos e familiares.

Não vou dizer que não dei uma passada numas lojas pra ver os preços de artigos esportivos e tal, e também não vou exagerar dizendo que sai de mãos vazias. Já disse que tô virando gringo. Mas pelo menos eu fui lá pelo meio-dia. Perco as melhores ofertas, mas não perco minha dignidade. 🙂

And the law lost.

Acabei de chegar da Suprema Corte ou Tribunal Superior do Estado da California, onde eu estava lutando pela anulacao de uma multa de transito, segundo a qual eu havia virado a direita no sinal vermelho sem parar totalmente o carro antes. Em tempo: aqui, virar a direita no semaforo vermelho eh permitido, mas voce deve parar totalmente o veiculo antes da faixa de pedestres, olhar pra ver se tem alguem vindo e so depois, dobrar a direita. E nao, virar a esquerda nao pode, malandragem!

california_seal_op_597x600.jpg

Esse selo fica exposto bem grande, atras do juiz

So para dar uma ideia do meu problema, o valor da infracao era de US$ 405, mais o aumento de quase 50% no valor do seguro do meu carro, que passaria a US$ 1000 a cada 6 meses.

Bom, resumindo, fui ate a Corte, presidida por um juiz que tinha a cara do Andy Warhol e a rigidez da minha professora de quimica do colegio, me apresentei, mas o pontcherello do policial, nao. Ganhei na hora. EEeeeeee! O CHIPS nao foi!!

chips361x414-clean.jpg

Falou entao, Ponch.

Um alivio. Eu passei varios dias preparando minha defesa, com diagramas, fotos do local do incidente, e todas as baboseiras que minha criatividade conseguiu criar para tentar mostrar que o policial estava errado. Basicamente, eu seria meu proprio advogado in the Court of Law. Um pouco assustador. Mas, minha uruca pro cara nao aparecer foi maior que todos os meus esforcos legais, e deu certo. Com macumba boa, nem o tio Sam aguenta.

arnold_seal.jpg

Babilonia em chamas

Publicado: outubro 24, 2007 em EUA, Pessoal, Sociedade, Vida

061201105724.jpg

A California esta triste. Clique na foto pra ver slideshows do NY Times.

Meio que sem inspiração, mas sempre indignado com a quantidade de pizza endings no Brasil, achei por bem compartir esta poesia de Elisa Lucinda, que escutei num disco da Ana Carolina…

SÓ DE SACANAGEM

Meu coração está aos pulos
Quantas vezes minha esperança será posta à prova
Tudo isso que está ai no ar, malas, cuecas, que voam entupidas de dinheiro
Do meu dinheiro, do nosso dinheiro
Que reservamos duramente
Para educar os meninos mais pobres que nós
Pra cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais
Esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade
E eu não posso mais

800px-eq_it-na_pizza-margherita_sep2005_sml.jpg

Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz
Mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros
Venha quebrar no nosso nariz

Meu coração tá no escuro
A luz é simples
Regada ao conselho simples de meu pai
Minha mãe, minha avó
E os justos que os precederam

Não roubarás!
Devolva o lápis do coleguinha
Esse apontador não é seu, minha filha

Pois bem, se mexeram comigo
Com a velha e fiel fé do meu povo sofrido
Então agora eu vou sacanear
Mais honesta ainda eu vou ficar
Só de sacanagem

Dirão, Deixa de ser boba,
desde Cabral que aqui todo mundo rouba
E eu vou dizer, Não importa, será esse o meu carnaval.
Vou confiar
Mais
E outra vez
Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos
Vamos pagar limpo à quem a gente deve
E receber limpo do nosso fregüês

Com o tempo, a gente consegue ser livre
Ético e o escambal
Dirão, É inútil, todo mundo aqui é corrupto
Desde o primeiro homem que veio de Portugal

E eu direi, Não admito! Minha esperança é imortal!
E eu repito, Ouviram? I-M-O-R-T-A-L
Sei que não dá pra mudar o começo,
Mas se a gente quiser,
Vai dar pra mudar o final.

(Elisa Lucinda)

será? (V)

Publicado: agosto 30, 2007 em Comportamento, EUA, Gringuísses, Pessoal, Política, Sociedade, Vida

Será que eu tô virando gringo? Parte cinco. Acho que talvez. Um amigo americano me mandou esta piada, e eu achei engraçada. Será?

The new Secretary of Defense briefed the President this morning.

He told Bush that three Brazilian soldiers were killed in Iraq.

To everyone’s amazement, all the color drained from Bush’s face, then
he collapsed onto his desk, head in hands, visibly shaken, almost in

tears.

Finally, he composed himself and asked, “Just exactly how many is
a brazilian”?

 

Pam-pam-ram-pam-pammmm…………. pam-pam!

Projeto novo da HBO. Sensacional!

Clique aqui pra ver em tamanho máximo.

Não sei se já estou há tempo demais longe do Brasil, mas descobri ontem um produto que me pareceu mega-gringo. É o multi-funcional, prático e elegante bracelete-repelente-de-mosquitos -que-brilha-no-escuro -e-parece-fio-de-telefone-antigo. Também conhecido como Bug Off, expressão que significa “Sai fora!”, “Não me enche!” ou “Vaza, mala!”, entre outras.

51k63gtnecl_aa280_.jpg

É, amigos. Está na hora de aposentar o Autan e pendurar as chuteiras do Off. O negócio agora é usar a pulseirinha repelente fluorescente, que, além de não necessitar reaplicar depois do banho, permite que você seja encontrado a qualquer hora da noite. Além, é claro, de ser um acessório de muito bom gosto e para qualquer ocasião. Perfeito para raves na Indonésia e celebrações afins.

Ligue já: 1-800-FALA-SÉRIO